quinta-feira, 19 de Abril de 2012

Pode uma Igreja que não Cresce Estar DOENTE?


Mais de uma vez no meu ministério comparei a igreja/plural a um indivíduo/singular. Uma pessoa adoece ou desanima estará a nossa igreja doente? Na Europa em especial Norte, Centro e Sul é facilmente reconhecível que a igreja que tem por missão proclamar a Mensagem dos Três Anjos, entrou num certo marasmo para não dizer um certo secularismo, secularismo na igreja equivale a igreja doente. As taxas de crescimento das igrejas locais mostram que precisamos fazer um check up e descobrir o estado de saúde das nossas comunidades. Paulo fazia isso e exortava os crentes no sentido de não se deixar enlear com as coisas “do mundo”.
Qual seria a melhor maneira de avaliar a saúde da nossa igreja local? A maioria das pessoas insiste, no entanto em fazer uma avaliação intuitiva. Perguntam umas às outras como se sentem na igreja e conseguem com isso aquelas respostas que as pessoas faz tempo queriam dar – geralmente negativas.

Há instrumentos muito apropriados para o diagnóstico eficaz da saúde de uma igreja. Instrumentos com precisão científica que conseguem medir o estado que uma igreja se encontra e podem ver a capacidade que a igreja de crescer saudável.
A pergunta é, pode uma igreja ficar doente? Nunca esteve doente? A sua família nas relações não sofreu “ruídos” na comunicação? Sim! O mesmo acontece com organizações que perdem vigor e morrem. Queremos nós que isso aconteça com a igreja do Senhor? Não!

A igreja tem uma natureza dupla: Divina e humana (http://www.cpb.com.br/arqs/nc/NC.pdf ) e veja no Nisto Cremos página 189 – A Igreja. Na parte Divina é claro que a igreja não vai enfermar. Deus é perfeito e tudo o que Ele faz é perfeito. As Suas incursões e manifestações na vida pessoal dos crentes como na igreja quando ela está reunida, são sempre perfeitas e é por isso que vamos à igreja. Na parte humana é que a igreja falha. As estruturas de organização e ação, a maneira que fazemos as coisas, os vícios e manias que vamos perpetuando sem questionar… E ali que a igreja se torna enferma e para de crescer.

Partimos do pressuposto de que toda igreja saudável irá crescer e dará muito fruto (cf. João. 15:5). Se no entanto de um grupo de características básicas alguma estiver mal, o todo da igreja será afetado por aquela deficiência. Exemplo: se uma macieira tiver adubo, solo bom, temperatura adequada e sol, mas não tiver água, ela não dará fruto de maneira saudável.

Como as igrejas ficam doentes? Elas ficam doentes por diversos motivos, mas principalmente quando acham “fórmulas de disfuncionamento” que no passado deram certo e os líderes querem perpetuá-las como se fossem dar sempre certo.

Igrejas locais e organizações religiosas estruturam-se e nos seus inícios e têm a coragem de fazer ajustes e mudanças naquilo que percebem que não dá certo. Depois de algum tempo a maneira como se estruturaram torna-se uma tradição, que aos olhos dos seus membros, essas estruturas de funcionamento tornam-se tão sagradas quanto as outras coisas na igreja. “Sempre fizemos assim” dizem. Muitas vezes pode ocorrer que estruturas de poder e interesse são responsáveis por perpetuar a igreja naquele formato. E assim igrejas esquecem que foram chamadas para propagar uma mensagem e que podem se estruturar de diversas maneiras sem serem infiéis à missão e à mensagem a elas confiadas. Stephen Covey ousou fazer a definição de insanidade: “fazer as coisas sempre da mesma maneira e esperar resultados diferentes.”

Aqui não é um fórum para crítica, estamos apenas evidenciando o que pode tornar uma igreja doente. Partimos do pressuposto de que as igrejas precisam ser relevantes internamente na nutrição espiritual dos membros, na condução dos membros para viverem o poder de Deus em sua vida de maneira abundante. Elas devem providenciar os desafios para que cada membro descubra o seu propósito dentro do grande plano de Deus e tenha coragem e capacidade para vivê-lo com toda a eficácia.

Uma igreja saudável também deve ser relevante na sociedade onde está inserida. Deve estar em condições de identificar as necessidades principais da comunidade e servi-la ganhando assim a confiança necessária para pregar o evangelho para os descrentes.

Isso tudo traduz-se em crescimento. Se uma igreja não consegue ser relevante para os seus membros, não consegue servir a comunidade que a rodeia e consequentemente não consegue crescer vigorosamente, essa igreja é considerada doente.

O NUMCI desenvolveu uma ferramenta muito útil para avaliar o estado de saúde de uma igreja. Durante 2,5 anos trabalhamos com teólogos, analistas de sistemas, consultores, e estudantes. Desenvolvemos um instrumento que uma vez aplicado traz resultados cientificamente comprovados. O instrumento foi exaustivamente testado e um programa de computador especialmente desenvolvido para fazer os cálculos e os tratamentos estatísticos necessários, para que a igreja possa ter certeza de 95% do resultado adquirido.

Com os questionários respondidos a igreja manda-os para o endereço indicado e em seguida já mandamos o laudo da igreja. Veja modelo abaixo:

O laudo que acompanha o diagnóstico já dá dicas e orientações básicas sobre o que fazer e em que áreas se deve iniciar o trabalho para recuperar a saúde de sua igreja. Você vê acima, que depois de exaustivos estudos, estabelecemos o nível de 70% como margem mínima de saúde de uma igreja. Você também vê que das características, as que estão acima de 70% são consideradas sadias.
Assim como no exemplo da macieira acima, se apenas uma dessas características estiver baixa, pode ser que a igreja esteja “travada” apenas por causa dela.

Leia o livro de Christian Schwarz “Desenvolvimento Natural de Igreja” para entender melhor os detalhes teóricos.

Se você quiser, enquanto você se organiza para fazer o diagnóstico, observe com a liderança de sua igreja alguns elementos que podem ser determinantes no crescimento de sua igreja ou na sua estagnação.

Avalie sua Igreja em alguns ítens, mesmo que seja subjetivo dê uma nota de zero a 10.

Compreensão dos membros da Missão da igreja como um todo:
Baixa 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Alta

Compreensão dos membros da vocação da igreja local:
Baixa -------------------------------Alta

Desejo dos membros de crescer espiritualmente e em número de membros de igreja. Desejo de ver a igreja crescer.

Baixa ------------------------------------------------------ Alta

Comprometimento dos membros com o evangelismo/crescimento:
Não é prioridade ---------------Alta Prioridade

Compreensão dos membros de que a igreja precisa de uma estratégia para crescer:
Ruim -----Média ------Óptima
Envolvimento de membros no ministério (% membros com cargo/função):

Menos de 30% - 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 - Mais de 60%

Efetividade dos PG no ministério da igreja:
Baixa - 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 - Alta

Papel da Escola Sabatina no crescimento geral da igreja:

Baixo - 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 - Alto

Nível da experiência na capacidade de amar por membros novos e antigos:

Baixa 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Alta

Desejo da liderança da igreja para estabelecer uma nova igreja:

Baixa - 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 -Alta

Sem comentários:

Enviar um comentário